Anatomia de um site: Modelos de Navegação

AddThis Social Bookmark Button

Uma das decisões mais importantes que você toma ao planejar um site, é o modelo de navegação.

As chances de fazer bons negócios aumentam à medida que a navegabilidade é mais consistente e centrada no cliente (ou potencial cliente).

Conheça os principais modelos de estruturas de navegação e escolha o que melhor se encaixa em sua estratégia.

Modelos de Navegação Estruturada

Navegação estruturada é aquela composta pelos menus do site. Os menus constroem a estrutura do site, daí o nome.

Veja a seguir, uma simplificação dos principais modelos de estruturas que um site pode ter, representados pelas conexões entre as páginas.

As circunferências representam as páginas e as linhas entre elas, representam os links (ligações).

1. Modelo de estrela: uma página inicial (I) com links para as outras páginas.

Como esta é a única página que possui links (menu) para as outras, se o internauta quiser ir de uma pra outra, é preciso voltar e passar pela página central, todas as vezes.

Este é um modelo bastante amarrado, que dificulta a navegação e torna a visita ao site cansativa. Evite essa estrutura a todo custo.

Normalmente, este modelo tem um botão ‘voltar’ em cada página e ainda dá para piorar a situação, deixando de colocar o link para voltar e depender do internauta clicar no botão voltar do navegador.

Nunca é tarde para lembrar: use um modelo que facilite a navegação.

2. Modelo de roda – nesta estrutura você tem conexões entre todas as páginas e assim, o visitante pode ir de uma página a qualquer outra com apenas um click. É o tipo de coisa que você quer que aconteça.

Você consegue isso facilmente colocando uma barra de menu em todas as páginas.

Este modelo é ideal para sites com poucas páginas. Um menu horizontal, no topo de cada página, dá conta do recado. E pode ser repetido no final da página, para facilitar ainda mais a navegação.

Pode usar um menu vertical se esta for sua preferência.

O que importa é que se possa ir de uma página para qualquer outra do site, com um click apenas.

3. Modelo de rodas em cadeia – quando o site é maior e tem várias seções e cada seção tem diversas páginas e mesmo subseções, você pode usar uma estrutura de rodas em cadeia.

No diagrama, a página inicial (I) está no centro, o que significa que está sempre acessível, permitindo que se vá de uma página a qualquer outra do site em apenas dois ou três clicks.

Em termos práticos você deve usar um menu horizontal, ao topo, para as seções principais e em cada uma delas, um menu vertical local (com opções da seção) ou se preferir, um menu vertical com todas as seções e subseções – neste caso, lembre-se de colocar alguma marcação visual que lembre ao visitante em que seção ele se encontra.

Até aqui, os modelos parecem evoluir de um para o outro, já o próximo, é completamente distinto.

4. Modelo de túnel – Este modelo é usado quando você quer direcionar a navegação. Como em um tutorial, por exemplo. Quando você quer que o visitante veja uma seqüência de páginas em uma determinada ordem, é este o seu modelo.

Se uma página está ficando longa demais e demora a carregar ou parece deselegante, um túnel pode ser a solução.

Túneis são úteis para ‘criar um clima’ e desembocar em um anúncio, como em mini sites e hot sites.

Os túneis são usados com objetivos específicos, você não quer prender o leitor por qualquer bobagem. Um site que formado por diversos túneis pode se tornar um labirinto, destruindo todo seu esforço em construir uma navegabilidade eficiente. Fique atento.

5. Modelo Misto – Combine túneis com rodas e rodas em cadeia e criará sites com estruturas de navegação tremendamente poderosas.

O diagrama mostra um túnel colocado em uma estrutura de roda. Quer dizer, o visitante chega a uma página (de uma roda) que é o inicio de uma sequência que você gostaria que ele visitasse (o túnel).

Você pode até combinar sites distintos num esquema de navegação mista. Considere um site sobre esportes que tem estrutura de roda ou cadeias de rodas. Na seção sobre tênis, há um link para o site de uma escolinha de tênis que tem estrutura de túnel, apresentando a escola e no final, um formulário de inscrição.

Assim você combina os sites estrategicamente. O mesmo exemplo poderia servir para um único site. O importante é que você perceba as estruturas e use-as a seu favor, aprimorando o processo de venda do site.

Estas são os possíveis modelos estruturados de navegação. Olhe para quantos sites quiser e verá que seguem um desses modelos ou sua combinação.

Navegação Desestruturada.

Há um outro tipo de navegação, que chamo de desestruturada porque, adivinhe só, ele não tem uma estrutura definida.

Um exemplo conhecido são os banners. Muitos deles são colocados em posições inusitadas como no meio de um artigo. Isso é uma tentativa de chamar atenção e fazê-lo ser visto.

Serve para levar o leitor a outra página que não está no fluxo da informação, mesmo que esteja relacionado com ela.

Um banner sobre serviços de buffet no meio de um artigo sobre decoração de festas. A pessoa que lê o artigo, possivelmente está pensando em decorar uma festa e pode precisar de um buffet. A estratégia é bastante astuta do ponto de vista comercial, mesmo fugindo do padrão estrutural do site.

A questão é que mesmo que o link saia fora da estrutura do site, ele deve ter alguma relação com a página atual. Do contrário, será clicado poucas vezes.

Não é apenas para publicidade que você pode usar a navegação desestruturada. Use-a para chamar atenção para outras partes do seu site.

Coloque links (em textos, caixas, botões ou banners) no começo, meio ou final da página, que não façam parte do menu e tenham uma relação com o conteúdo da página e você estará usando a navegação desestruturada.

Use com inteligência e incremente os resultados para além do que conseguiria apenas com os modelos estruturados.

Seu próprio modelo

Agora é sua vez. Use as idéias contidas neste artigo para planejar a estrutura de suas páginas e construir sites com navegabilidade melhor e obtenha mais resultados.

E se precisar de uma força para criar os menus, veja estes geradores de gráficos que podem te ajudar.

Até a próxima.

Copyright © 2004, Renato Fridschtein. Todos os direitos reservados.